Tratamentos estéticos podem ajudar no combate à estria


>





Algumas pessoas as desenvolvem mesmo com pouca distensão de pele e outras não desenvolvem nem na gravidez, mesmo quando o esticamento é muito grande. Vai entender esta tal de genética que faz com que alguns tenham estria e outros não.

O fato é que o sonho de parte da população, principalmente das mulheres, é que as marquinhas brancas ou vermelhas sumissem do corpo como em um toque de mágica, principalmente no verão.

Mas a realidade é que se trata de uma tarefa difícil, que requer associação de tratamento estético e alimentação balanceada e que garante melhora de até 80% do aspecto das estrias.

Segundo a fisioterapeuta Telma Badra Cassab, proprietária de uma clínica de fisioterapia e estética, as estrias atingem tanto as mulheres, quanto os homens, porém é mais frequente no sexo feminino. "A ruptura das fibras forma lesões lineares, geralmente paralelas, que podem variar de um a vários centímetros de extensão. Surgem principalmente nas coxas, nádegas, abdômen, mamas e dorso de tronco (homens)".

A fisioterapeuta explica que as estrias são geralmente decorrentes da gravidez, obesidade, puberdade, tendência genética, síndrome de cushing e uso de corticoides em altas doses e por período prolongado. "Inicialmente as lesões são avermelhadas ou rosas, evoluindo mais tarde para uma tonalidade esbranquiçada. A pele afetada tem consistência frouxa", acrescenta.

Telma destaca que a escolha do tratamento estético depende do aspecto, cor e largura da estria. Para regenerar as estrias, por exemplo, a fisioterapeuta recomenda o Striat, processo que visa melhorar o aspecto das lesões, deixando-as menos perceptivas. "O tratamento estimula a formação de tecido colágeno subjacente, semelhante à pele ao redor. É uma estimulação galvânica contínua dérmica em toda extensão da estria, que provoca um processo inflamatório agudo, gerando um aumento de colágeno com posterior regeneração"

Para Telma, o número de sessões varia de caso para caso, sendo que cada pessoa reage de uma maneira. "No mínimo são indicadas dez sessões. A melhora do aspecto da pele é de 50% a 80%", garante.

No pós-tratamento, o recomendado é evitar sol e não usar roupas justas. "Já para aqueles que querem evitar o aparecimento das estrias, recomendo a hidratação intensa com cremes e loções à base de ureia, ingestão de oito copos de água ao dia, consumo de alimentos com vitamina C e E e evitar engordar demais", conclui.
Tratamentos estéticos podem ajudar no combate à estria Tratamentos estéticos podem ajudar no combate à estria Revisado by Faça Fisioterapia on 10:41:00 Nota: 5

Nenhum comentário